Eu os recebo a todos com a mente e a alma abertas.

A qualquer dia, a qualquer hora, os que aqui passarem, colham uma flor deste jardim de pensamentos e sentimentos - que é nosso - e sintam que somos todos iguais.

O que nos pode diferenciar, são nossas almas e ações.
Portanto. caminhemos sempre em direção à LUZ por toda a vida. Façamos, se possível, amizades e tentemos ser solidários.

A Nação Brasileira necessita, entre muitos, de educação, saúde, trabalho e respeito aos Valores e Princípios que a dignificam.

Fundamental, outrossim, é o respeito às Leis Justas e a luta pacífica pelo Justiça Social verdadeira, não a que está sendo incutida nas mentes menos preparadas.

A final, amigos leitores, sintam-se livres para comentar sinceramente sobre o que lerem, para que possamos interagir.

Mirna Cavalcanti de Albuquerque































































Outras Páginas

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Carta de Apoio: MARIA ESTELA KUBITSCHEK para AÉCIO NEVES



                                                                         

"ATerra é azul, o Brazil, verde e amarelo!


Recebi via e-mail de ANNE SCHNEIDER, musicista e gaúcha como eu. Compartilho com os leitires mais esta valiosa manifestação de apoio a AÉCIO NECES.
Mirna Cavalcanti de Albuquerque 



"Querido amigo, Senador Aécio Neves

Há 30 anos, Tancredo partiu de Minas, viajou por todo o Brasil, fazendo sua obstinada pregação em defesa da democracia e da justiça.
Cerca de trinta anos antes, outro mineiro, meu pai, Juscelino, ousou olhar para um futuro em que poucos acreditavam, e nos legou o grande e decisivo salto na direção da modernidade.
Ao que parece, de 30 em 30 anos, o espírito de Minas, de que nos falava Drummond, visita as razões da nacionalidade, para oferecer ao Brasil o que temos de melhor: Nossa coragem; Nossa sede de justiça; Nosso compromisso com a construção um país íntegro e generoso, capaz de abrigar os sonhos de cada um dos brasileiros.
Mais uma vez, hoje, 30 anos depois de 1984, a história se repete.
Hoje, Aécio, depositamos em suas mãos limpas nossa confiança e nossa esperança, de que finalmente poderemos realizar o Brasil  que tantas vezes foi sonhado pelos nossos e que ainda permanece intocado. Segue em frente, senador!
Com os compromissos e princípios que um dia orientaram os passos de Tancredo...
Com a ousadia, a coragem e o inconformismo de meu pai, Juscelino.
Vamos fazer cumprir o destino. Segue em frente, Aécio! Com a bênção das montanhas de Minas, Com a bênção de milhões de mineiros, Segue em frente, Aécio! Com Minas, pelo Brasil! 

Maria Estela Kubitschek Lopes"

Rousseff or Neves? Brazilians Await Bad News Whoever Wins


BLOOMBERG e situação brasileira.

Amigos,

A análise da situação brasileira pela midia americana pode ser considerada como nosso país é visto no exterior e por quem entende do assunto. Estamos em RECESSÂO, apesar das reiteradas negativas do governo em 'pintar de cor-de-rosa ' o cenário nacional..
No entanto, referentemente às intenções de voto, menciona as 2 pesquisas, cuja origem é o Datafolha e IBOPE, ambos com grandes possibilidades(!) de manipulações de índices pelo governo.
Mais tarde, entrarei em contato com os jornalistas responsáveis pelo artigo e poderei, quando receber resposta, esclarecer os interessados.
Mirna Cavalcanti




Brazilian President and presidential candidate of the Workers Party (PT) Dilma Rousseff... Read More

Whoever wins Brazil’s presidential runoff election this Sunday won’t have much good news to deliver on the outlook for the world’s second-largest emerging market.
Brazil is in recession, and annual inflation is above the ceiling of its target range. A widening budget deficit threatens the country’s investment-grade status, and business confidence hovering around five-year lows has driven investment to the lowest rate among the BRICS nations, which include RussiaIndiaChinaand South Africa.
To put the economy back on track, either President Dilma Rousseff or opposition candidate Aecio Neves will have to cut spending, lift caps on government-controlled prices and allow the currency to weaken, said Nicholas Spiro, managing director of London-based Spiro Sovereign Strategy. Such measures, which traders bet will include raising the highest interest rate in the Group of 20 nations, could fuel unemployment and cut wages for the first time in more than a decade.
“Regardless of who wins, you’re looking at a bleak post-election environment for the average Brazilian,” Spiro said in a telephone interview. “Even in a best-case scenario, it’ll take Brazil at least 2-3 years to bounce back.”
Rousseff has taken the lead over Neves in polls for the first time since the first-round vote, according to two opinion surveys published yesterday. Her support was 48 percent compared with 42 percent for Neves in an Oct. 22-23 Datafolha poll and 49 percent against 41 percent for Neves in an Ibope poll. Both surveys, which previously showed the candidates statistically tied, have a margin of error of plus or minus 2 percentage points.

Photographer: Paulo Fridman/Bloomberg
Brazil President Dilma Rousseff, who is seeking re-election in a runoff vote this... Read More

Slower Expansion

Latin America’s largest economy is forecast to expand 1 percent next year, according to the latest central-bank survey of analysts. That is half the average pace during Rousseff’s first three years in office and a quarter of the pace during the two terms of her predecessor, Luiz Inacio Lula da Silva. Gross domestic product contracted 0.6 percent in the second quarter after a revised decline of 0.2 percent in the first three months, helping to erode tax income and widen the budget deficit to 4 percent of GDP.
Neither candidate’s press office responded to e-mails seeking comment on their outlook for the economy next year.
Much of the presidential campaign focused on economic policy, with Rousseff rejecting Neves’s proposals to cut subsidized lending by state banks and reduce the number of ministries. She would build an additional 3 million low-cost houses and increase the number of students who’ve received free vocational training to 12 million from 8 million.

Photographer: Andrew Harrer/Bloomberg
Head of the International Monetary Fund’s Western Hemisphere Department, Alejandro... Read More

Neves Pledge

She also criticized Neves’s designated finance minister, Arminio Fraga, for a rise in inflation, debt and interest rates when he was head of the central bank in 1999-2002. While Neves has pledged to bring inflation back to the center of the target within two to three years, Rousseff said high interest rates fuel unemployment.
While the jobless rate hovers near a record low at 4.9 percent and was a major talking point in Rousseff’s campaign, there are signs the labor market is beginning to lose steam. Job creation in the nine months through September slowed by 30 percent from a year earlier. Annual wage increases were 1.5 percent for the month, adjusted for inflation, compared with 2.5 percent in August.
Unemployment could rise and real wages, whose growth has exceeded labor productivity, could fall next year for the first time in a decade, said Alberto Ramos, chief Latin America economist at Goldman Sachs Group Inc.
Consumer confidence in October dropped to its lowest level since April 2009, the Getulio Vargas Foundation reported today.

‘Fake Prosperity’

“It was, in part, a fake prosperity because that wage growth wasn’t sustainable,” Ramos said in a phone interview.
To protect wages and prevent inflation from eroding purchasing power, the government delayed increases on fuel and other government-regulated prices, which climbed 5.3 percent in the year through September compared with a 6.75 (BZPIIPCY) percent rise in consumer prices. The central bank targets 4.5 percent inflation with a margin of plus or minus two percentage points.
Domestic issues will be exacerbated by a more challenging international environment, which Rousseff has blamed for much of Brazil’s slowdown. Global growth is faltering, and an increase in lending costs in the U.S. could increase capital outflows. Commodity prices -- which account for 50 percent of Brazilian exports -- are down this year, by 39 percent for iron ore and 17 percent forsoybeans.

Falling Prices

Falling oil and gas prices may delay industry investment, said Marcelo Campos Magalhaes, president of PetroReconcavo SA, an oil company drilling in the northeastern state of Bahia. Simplifying regulations and allowing more private-sector participation -- particularly in smaller, marginal fields owned by state-controlled oil company Petroleo Brasileiro SA (PETR4) -- could boost output significantly, he said.
Moody’s Investors Service lowered its rating on the company to Baa2 on Oct. 21, the second-lowest investment grade, citing lower prices, local currency weakness and high debt leverage.
The next government must improve the business environment to attractinvestment, Alejandro Werner, head of the International Monetary Fund’s Western Hemisphere department, said in an Oct. 10 interview. It was 18 percent of GDP last year, well below India’s 31 percent and China’s 48 percent.
Brazil ranked 116th out of 189 countries in the World Bank’s 2014 report on the ease of doing business, with companies spending 2,600 hours a year to deal with taxes versus 369 in the rest of Latin America.

Declining Real

To offset a series of disadvantages Brazilian companies face -- from an unwieldy tax structure to inadequate infrastructure -- the next government should eliminate currency intervention and allow the real to depreciate, said Nelson Hubner, head of Curitiba, Brazil-based smelter and parts maker Hubner Group.
The real has lost 5.2 percent against the U.S. dollar this year, compared with a 22 percent decline for the ruble and 1 percent gain for the baht. The currency traded at 2.49 per dollar at 10:30 a.m. local time.
“At home, the market is stagnating and my profit margin on exports is zero,” Hubner said in a phone interview. “Would you invest to expand?”
Such a scenario has credit-rating companies concerned.
“The weakness in investment highlights the challenges Brazil is facing in making the transition to an investment-led growth model, which is increasingly necessary given the constraints on increases in wage income and credit that have been supportive of private consumption in recent years,” Fitch Ratings said in an Oct. 16 report.

More Aggressive

Its rating for Brazil is BBB. Standard and Poor’s downgraded Brazil to BBB- in March, the lowest investment grade.
Most traders appear to expect that Neves would tackle Brazil’s economic problems more aggressively than Rousseff. Between mid-March and early September, when polls showed a rising possibility for an opposition victory, the Bovespa stock indexrallied 38 percent only to slide back 17 percent as Rousseff bounced back.
“We think there’s a big difference between the two” candidates, said Geoffrey Dennis, head of global emerging-market strategy at UBS Securities LLC. “Dilma’s second term may be a bit better, but we can expect more structural reforms under Aecio.”
With neither candidate projected to win a large majority, the next president will have a limited mandate to carry out unpopular austerity measures. Congressional elections on Oct. 5 reduced support for Rousseff’s coalition while also failing to give Neves’s alliance a clear majority. This worsens the outlook for tax, labor and other bills to improve the investment climate, according to an Oct. 20 report by Eurasia Group.
Yet delaying budget cuts, price adjustments and a currency depreciation will only inflict larger costs down the road, said Goldman’s Ramos.
“The adjustment is unavoidable; the question is whether it will be fast and less painful or protracted and probably more painful.”
To contact the reporter on this story: Raymond Colitt in Brasilia Newsroom atrcolitt@bloomberg.net
To contact the editors responsible for this story: Andre Soliani atasoliani@bloomberg.net Melinda Grenier, Randall Woods





http://www.bloomberg.com/news/2014-10-24/rousseff-or-neves-brazilians-await-
bad-news-whoever-wins.html

VOTOS DOS IDOSOS: 20.6 milhões !

 
 
 
 
 
 

É chegada a hora de, em vez de ‘pedir’, ‘doar’IDOSOS de meu país: VOTEM!!!                                                                                             pátria4
… E continuam as inverdades… Manipulam e ‘encomendam‘ pesquisas PAGAS (ao fim e ao cabo) por nós, em valores estratosféricos… Até onde seguirão mentindo?… Até quando o povo seguirá nelles acreditando, mesmo com esses escândalos todos, que levam a crer – no mínimo –  na irresponsabilidade da presidenta-candidata, em seu mau gerenciamento, em sua incapacidade até mesmo para escolher seus auxiliares? Até quando???
Em todos os debates, a senhora candidata jamais se sobressaiu positivamente – ao contrário – tem-se  voltado para o passado e a repetir cansativamente as promessas feitas há 4 anos e não cumpridas em 12 … 
Ora, a Lógica não pode aceitar essas ‘pesquisas‘ , pois nada mais são do que espécie de ‘terrorismo pré-eleitoral’, com o objetivo de influenciar os indecisos, os fracos, os mal informados, os que , infelizmente, não têm o grau de discernimento necessário para poder aferir e distinguir entre a verdade e a mentira, entre a realidade e a pretensão do partido que não quer perder o poder, os empregos, as oportunidades de mais ainda enriquecer ilicitamente (consoante os escândalos e as investigações têm provado), nem deixar de seguir implantando o comunismo no país, para finalmente a todos nós dominar, tirando-nos os mais sagrados e consagrados direitos, entre os quais se sobressai o da liberdade.
Deixemos as pesquisas de lado. Sigamos com nosso trabalho laborioso e dedicado , cujo objetivo é o bem do país e cujaremuneração será ver o AÉCIO presidente de todos nós!
Fundamental: CHAMEMOS para as urnas OS QUE, PELA IDADE, NÃO PRECISAM MAIS VOTAR: SÃO 20.6 MILHÕES de pessoas!
MINHA GENTE:  TEMOS CONDIÇÕES DE SOMAR  aos demais e ELEGER AÉCIO!
Não se imaginem incapazes – não o são! Usem seu direito de cidadão – VOTEM! Nunca estivemos tão perto, em 12 anos de‘reinado comuno-tupiniquim’, de MUDAR! E o país precisa de vocês, de nós todos, para tirar o poder de quem o está usando para obter vantagens para o partido, seus aliados e países liderados por ditadores sanguinários. Quem assim age, não honra o cargo, nem a posição que ocupa como Chefe de Estado e de Governo. Inclusive, por sua história de vida sequer merecia ter sido eleita, pois carecedora das qualidades todas não só necessárias como fundamentais para ser a dirigente deste país continental.
Mirna Cavalcanti de Albuquerque
Rio de Janeiro, 24 de Outubro de 2014

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Hospital Estadual Alberto Torres (1). Carta Aberta para o Dr. Charbel Khouri Duarte

 
 
 
 

AnteScriptum
Amigos leitores,
Aguardo ainda a resposta da Ouvidoria da Secretaria de Estado da Saúde do Rio de Janeiro
alberto-torres-740x360
Exmo. Sr. Dr.
CHARBEL KHOURI DUARTE
Diretor do Hospital Estadual Alberto Torres
Ref.: Ouvidoria SES do Estado do Rio de Janeiro
Protocolo 1141924
Prezado dr.
Quero imaginar VS. desconheça o fato que passo a relatar e tome as providências que se fizerem necessárias como administrador, no sentido de que toda e qualquer pessoa que busque atendimento no Alberto Torres, realmente o receba e não mais ocorra o inaceitável episódio como o do cidadão mencionado nesta Carta Aberta.
São Gonçalo é um dos maiores municipios do estado e sua população ultrapassa em muito o milhão de habitantes. Assim, imagino o número elevado de pessoas que o procuram quando necessitam. Esse Hospital Geral é (ou era) considerado o melhor do Rio de Janeiro, consoante uma entrevista de 2010 que assisti do então ex- Secretário de Saúde do Estado (exonerado no início deste ano) no programa da Cidinha Campos. (2)
Porém, causa-me espanto saber que um Hospital Geral não tenha (ounão tinha), nos dias 05 e 06 de Agosto deste ano de 2014 em suas dependências, um cardiologista, pois consta no site do CNES, haver “Serviço de Atenção Cardiovascular/Cardiologia(http://cnes.datasus.gov.br/Exibe_Ficha_Estabelecimento.asp?VCo_Unidade=3304902298031) …                                                 Aliás, foge-me à compreensão ‘como‘ um hospital desse porte careça de cardiologistas em seus quadros. Escrevi no plural pois, por óbvio, um só profissional dessa especialidade não seria capaz de suprir todas as demandas
Informo-lhe que soube deste caso concreto, por ser o doente cunhado de uma amiga que presta serviços em minha residência e contou-me de sua preocupação. Considerando o agravamento de seu estado de saúde (é cardíaco) senti-me no dever de contatar a Ouvidoria da Secretaria de Saúde do Estado, tendo gerado o protocolo acima referenciado.
Senhor diretor,
Li sobre sua atuação profissional e escrevo-lhe com o objetivo de não só tentar colaborar com sua administração, como – e principalmente – para que evite se repita com outras pessoas, o que ocorreu com o senhor AURELINO da COSTA MARINS.
Sou advogada, mas estou a agir como simples cidadã, cônscia dosDireitos de uns e dos respectivos deveres de outros… Sabe muito bem VSª que o Direito à Saúde é garantido a todos e incumbe ao Estado o dever de prestá-lo de forma satisfatória, conforme determinativa expressa do artigo 196 da Constituição da República, que não tem, ressalte-se, caráter meramente programático.
Portanto, em sã consciência, não se pode aceitar calada o desrespeito não só à Constituição como, acima e além, à própria vida humana –‘vida‘ esta, que os médicos juram proteger quando colam grau…
Passo agora a narrar o que ocorreu de forma sucinta.

AURELINO da COSTA MARINS
, marceneiro, residente e domiciliado no Jardim Catarina, São Gonçalo, RJ, sofre de Miocardiopatia hipertrófica e foi buscar atendimento no hospital que VSª dirige, por indicação de seu cardiologista particular, pois consoante este lhe dissera, ‘os pesados medicamentos que toma não estavam mais fazendo efeito desejado, tendo se tornado necessário ministrá-los por via intravenosa‘.
Assim, por ser mais perto de onde mora, foi o doente em questão levado por familiares ao HOSPITAL ESTADUAL ALBERTO TORRES GERAL de SAO GONCALO no dia 05 de Agosto, terça-feira à tarde, pois estava com muita dificuldade para respirar. Colocaram-no no balão de oxigênio, do qual foi retirado no dia seguinte (06 de agosto, quarta-feira) e deram-lhe ‘alta‘ com a suposta e inaceitável ‘justificativa‘ de que ‘não havia cardiologista‘ !
Pessoa humilde, sequer teve condições de argumentar (como, aliás, a maioria de nosso sofrido povo…) Levado de volta à casa por membros de sua família, passou a noite muito mal, sem dormir, pois a falta de arlhe impedia de fazê-lo. Estava exaurido, quase sem poder falar… Assim, dia 08 de de agosto, já com os pés e pernas bastante inchados – e respirando com dificuldade crescente, foi ele levado por seus familiares – desta vez para o Hospital de Itaboraí, no qual, ao chegar, foiimediatamente recebido e tratado por um cardiologista. Consoante o mesmo, sua situação era crítica e lá foi mantido por dois ou três dias até seu quadro estabilizar-se – o que ocorreu, pois atendido com o protocolo adequado; aliás, como deveria tê-lo sido no hospital sob sua direção, dr. Khoury.
Senhor, não estudei medicina, mas claro está que houve no mínimo,imprudência – e mesmo negligência por parte – em última análise –do seu hospital, cujo funcionário médico (o que seja), simplesmente deu-lhe alta, dizendo que nada poderia fazer mais por ele, pois lá ‘não havia cardiologista‘, indicando-lhe voltasse para sua casa…
Ora, “enquanto há vida há esperança“, diz o anexim. Quem exerce a Medicina, uma das mais nobres e importantes profissões – pois lida com o ser humano, no que este tem de mais precioso materialmente: sua saúde, tem que possuir profundo senso de humanidade. Exercer a Medicina pode ser mesmo considerado o exercício de um sacerdócio.
Consoante se depreende do acima exposto, o Sr. AURELINO da COSTA MARINS não voltará ao Hospital Alberto Torres (não pelo motivo pelo qual lá esteve, pelo menos…) mas eu lhe escrevo mesmo assim, para que, reforço, (sem receio algum de tornar-me repetitiva), como administrador de um hospital classificado como ‘GERAL’, VS. tome as providências cabíveis para que outras pessoas não venham a passar pela situação tristemente constrangedora, até desesperadora na qual se encontrou o senhor AURELINO que, não tivesse sido pela pronta ação de sua esposa e seu filho, poderia até mesmo ter-lhe levado à óbito.
Sim, sabe-se: sua doença é grave e dela ele tem tratado com o devido cuidado… Mas tirar-lhe do balão de oxigênio, dar-lhe ‘alta‘ e enviá-lo para casa, foi desumano e não se coaduna com o comportamento que um verdadeiro médico deve ter.
Sem mais para o momento,
Subscrevo-me atenciosamente,
Mirna Cavalcanti de Albuquerque
Niterói, 25 de Agosto de 2014
(1) CADASTRADO NO CNES EM: 25/11/2002 ULTIMA ATUALIZAÇÃO EM: 10/8/2014 ULTIMA CERTIDÃO NEGATIVA:06/08/2014

sexta-feira, 7 de março de 2014

MOBLY: compra efetuada e até agora não entregue

Bom dia amigos!

Ontem, após ter enviado diversos e-mails para a empresa em questão, e ter recebido, por conseguinte, tantos números de protocolos quanto os e-mails - e NADA tendo sido resolvido, agi através do site ao final desta matéria indicado. Minha intenção outra não é que a de ver meu direito de cidadã-consumidora respeitado.

cia
Climatizador "CADENCE" pago em "cash" e até agora não entregue
Reclamação atendida
Postada por: 
NITEROI/RJ - 6/3/2014 às 9:51:54

AnteScriptum:

Verifiquei em site de busca (GOOGLE) que o número de reclamações sobre a MOBLY excede o razoável. Assim, exerço meu direito de cidadã-consumidora, para tentar solucionar pacificamente o impasse criado pela forma incorreta de agir da MOBLY.
Mesmo sabedora de que os tribunais estão com processos em demasia, se a MOBLY não cumprir logo com o tratado, não hesitarei em buscar na Justiça a reparação devida.

Mirna Cavalcanti de Albuquerque Pinto da Cunha OAB/RJ 004762

Ref.: pedido nº 706836962

Comprei na MOBLY um CLIMATIZADOR "Cadence" em 11/02/2014 e, no mesmo dia, paguei em dinheiro na "boca do caixa" pelo mesmo, vindo a informar por e-mail à MOBLY, anexando o COMPROVANTE do pagamento efetuado.

Tenho cópia dos diversos e-mails que enviei, e dos vários "protocolos de atendimento" e tudo o mais que comprovam a veracidade do que escrevo. 

Hoje, 05 de Março de 2013, já aborrecida pela falta de respeito, enviei à MOBLY dois e-mails, e como resposta recebi mais outros dois números de protocolo, com o já batido, repetitivo e cansativo (sic) "Em breve retornaremos com a solução". 

Ressalte-se: AGUARDO essa solução desde a compra. Todavia, JAMAIS veio ALGUMA resposta objetiva referente a QUANDO receberei a mercadoria já paga - o que é só o que desejo saber.

Gostaria de resolver de vez essa pendenga - ou serei obrigada a entrar no Juizado de Pequenas Causas para ser não apenas ressarcida pelo valor do comprovante, como receber juros e correção monetária, como por danos morais, vez que, com um calor desses, em pleno carnaval, fiquei sem o aparelho mencionado retro.

Todo e qualquer direito tem que ser respeito. Os direitos do consumidor têm que ser respeitados. Posto esta reclamação, pois poderá servir de alerta a outros consumidores, para que não se aborreçam como eu estou me aborrecendo - para que não sejam lesados como eu estou sendo.

Agradeço a oportunidade de registrar publicamente esta ocorrência.

Att.,
Mirna Cavalcanti de Albuquerque Pinto da Cunha

 
Link da reclamação:
Notificações:
Empresa notificada por e-mail6/3/2014 às 13:9:35
Respostas e Réplicas:

Resposta da empresa em 6/3/2014 às 12:18:28
Boa tarde, Mirna.
Peço à gentileza que verifique seu e-mail, pois, foram enviadas informações.

Agradeço à sua atenção.

Caso necessite de alguma informação, peço à gentileza que entre em contato com a Central de Atendimento ou responda este e-mail.

A Casa do Cliente Mobly preza sempre por sua satisfação em primeiro lugar e estamos trabalhando para fazer o melhor por você, ficando sempre à sua disposição.

Desejo a você e a sua família, muita paz, saúde e alegria.

Casa do Cliente Mobly.

Atenciosamente.
______________________________ 
 

Réplica do usuário em 6/3/2014 às 12:51:49
BTarde.

Para a MOBLY:
A quem interessar possa RESOLVER .

Já possuo uma considerável "coleção de protocolos" - NENHUM deles solucionou o problema criado pela IRRESPONSABILIDADE da própria MOBLY - qual seja: ENTREGAR o "CADENCE"....

"Entrar em contato com a MOBLY", portanto, é mais perda de tempo, para ouvir mais "chavões"... Cansei-me... Assim, cabe aos senhores decidir: OU efetivamente se "dignam" a entregar-me o aparelho EM DATA MARCADA DEFINITIVAMENTE, ou responderão judicialmente.

Estou sendo clara o suficiente. Espero a resposta objetiva ou continuarei publicando - inclusive nos meus blogs, Twitter, Facebook, etc... e pq. não nos jornais - já que tenho facilidade? Ou mesmo programas de TV?

Cabe aos senhores decidir o que preferem.
Sem mais, despeço-me.

Att.,
Mirna Cavalcanti de Albuquerque Pinto da Cunha

Portanto, é isso o que me interessa no momento - a ENTREGA do referido climatizador. 
 
Hoje, 07/03/2014, publiquei naquele mesmo site: 

Réplica do usuário em 7/3/2014 às 8:16:40


Bom dia senhores.
Não se trata de uma "réplica", mas de uma informação a mais. O que tenho recebido da MOBLY são apenas e-mails que carecem da resposta que busco: A DATA DA ENTREGA DO CLIMATIZADOR - só isso. 
Respondi a um dos e-mails daquela empresa, pedindo-lhe o favor de não mais me enviar "protocolos", pois, repito, já passam de uma dezena e é até estressante isso. 

Exijo, como consumidora no seu direito, a entrega do objeto - com data marcada. Caso contrário, não só seguirei nas minhas postagens, como acionarei os meios ao meu alcance consoante escrevi acima. Sendo advogada há décadas, não será difícil - ainda mais com os registros de consumidores feitos sobre a forma de agir da MOBLY, entrar com as medidas jurídicas cabíveis - inclusive por Dano Moral. 

Que se pronuncie o responsável pela MOBLY (diretor, presidente , o que seja) - e afirme de público, QUANDO receberei o "CADENCE". 

Att., 
Mirna Cavalcanti de Albuquerque Pinto da Cunha 



















https://www.reclamao.com/reclamacao-contra-/821940/climatizador-cadence-pago-em-cash-e-ate-agora-nao-/fl/594a5767a7ba6e785f324b3ba019b7a9/68e7d0003c86fa3223612f07386dd65a/

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Discurso de José Mujica na ONU (*)




                                                             

JOSÉ MUJICA - seu discurso na ONU revelou ser, além de estadista, um humanista. Demonstrou conhecimento de história, economia, relações humanas, direito internacional, geografia e todo o saber não só necessário, como imprescindível para quem governa um Estado e quer o bem dos componentes da nação...  O passado, o presente e o  firme vislumbre do futuro - não só para seu país, como para o planeta, estão presentes de forma sincera , objetiva e simples - não 'simplista' , humilde, não subserviente.

É de lamentar-se. por outro lado, a triste  lembrança do texto do discurso de quem abriu aquela Assembléia.... Impossível a comparação... 

Leiam-no e concluam por si mesmos.   

Mirna Cavalcanti.



"Amigos, sou do sul, venho do sul. Esquina do Atlântico e do Prata, meu país é uma planície suave, temperada, uma história de portos, couros, charque, lãs e carne. Houve décadas púrpuras, de lanças e cavalos, até que, por fim, no arrancar do século 20, passou a ser vanguarda no social, no Estado, no Ensino. Diria que a social-democracia foi inventada no Uruguai.
Durante quase 50 anos, o mundo nos viu como uma espécie de Suíça. Na realidade, na economia, fomos bastardos do império britânico e, quando ele sucumbiu, vivemos o amargo mel do fim de mudanças funestas, e ficamos estancados, sentindo falta do passado.
Quase 50 anos recordando o Maracanã, nossa façanha esportiva. Hoje, ressurgimos no mundo globalizado, talvez aprendendo de nossa dor. Minha história pessoal, a de um rapaz — porque, uma vez, fui um rapaz — que, como outros, quis mudar seu tempo, seu mundo, o sonho de uma sociedade libertária e sem classes. Meus erros são, em parte, filhos de meu tempo. Obviamente, os assumo, mas há vezes que medito com nostalgia.
Quem tivera a força de quando éramos capazes de abrigar tanta utopia! No entanto, não olho para trás, porque o hoje real nasceu das cinzas férteis do ontem. Pelo contrário, não vivo para cobrar contas ou para reverberar memórias.
Me angustia, e como, o amanhã que não verei, e pelo qual me comprometo. Sim, é possível um mundo com uma humanidade melhor, mas talvez, hoje, a primeira tarefa seja cuidar da vida.
Mas sou do sul e venho do sul, a esta Assembleia, carrego inequivocamente os milhões de compatriotas pobres, nas cidades, nos desertos, nas selvas, nos pampas, nas depressões da América Latina pátria de todos que está se formando.
Carrego as culturas originais esmagadas, com os restos de colonialismo nas Malvinas, com bloqueios inúteis a este jacaré sob o sol do Caribe que se chama Cuba. Carrego as consequências da vigilância eletrônica, que não faz outra coisa que não despertar desconfiança. Desconfiança que nos envenena inutilmente. Carrego uma gigantesca dívida social, com a necessidade de defender a Amazônia, os mares, nossos grandes rios na América.
Carrego o dever de lutar por pátria para todos.
Para que a Colômbia possa encontrar o caminho da paz, e carrego o dever de lutar por tolerância, a tolerância é necessária para com aqueles que são diferentes, e com os que temos diferências e discrepâncias. Não se precisa de tolerância com aqueles com quem estamos de acordo.
A tolerância é o fundamento de poder conviver em paz, e entendendo que, no mundo, somos diferentes.
O combate à economia suja, ao narcotráfico, ao roubo, à fraude e à corrupção, pragas contemporâneas, procriadas por esse antivalor, esse que sustenta que somos felizes se enriquecemos, seja como seja. Sacrificamos os velhos deuses imateriais. Ocupamos o templo com o deus mercado, que nos organiza a economia, a política, os hábitos, a vida e até nos financia em parcelas e cartões a aparência de felicidade.
Parece que nascemos apenas para consumir e consumir e, quando não podemos, nos enchemos de frustração, pobreza e até autoexclusão.
O certo, hoje, é que, para gastar e enterrar os detritos nisso que se chama pela ciência de poeira de carbono, se aspirarmos nesta humanidade a consumir como um americano médio, seriam imprescindíveis três planetas para poder viver.
Nossa civilização montou um desafio mentiroso e, assim como vamos, não é possível satisfazer esse sentido de esbanjamento que se deu à vida. Isso se massifica como uma cultura de nossa época, sempre dirigida pela acumulação e pelo mercado.
Prometemos uma vida de esbanjamento, e, no fundo, constitui uma conta regressiva contra a natureza, contra a humanidade no futuro. Civilização contra a simplicidade, contra a sobriedade, contra todos os ciclos naturais.
O pior: civilização contra a liberdade que supõe ter tempo para viver as relações humanas, as únicas que transcendem: o amor, a amizade, aventura, solidariedade, família.
Civilização contra tempo livre que não é pago, que não se pode comprar, e que nos permite contemplar e esquadrinhar o cenário da natureza.
Arrasamos a selva, as selvas verdadeiras, e implantamos selvas anônimas de cimento. Enfrentamos o sedentarismo com esteiras, a insônia com comprimidos, a solidão com eletrônicos, porque somos felizes longe da convivência humana.
Cabe se fazer esta pergunta, ouvimos da biologia que defende a vida pela vida, como causa superior, e a suplantamos com o consumismo funcional à acumulação.
A política, eterna mãe do acontecer humano, ficou limitada à economia e ao mercado. De salto em salto, a política não pode mais que se perpetuar, e, como tal, delegou o poder, e se entretém, aturdida, lutando pelo governo. Debochada marcha de historieta humana, comprando e vendendo tudo, e inovando para poder negociar de alguma forma o que é inegociável. Há marketing para tudo, para os cemitérios, os serviços fúnebres, as maternidades, para pais, para mães, passando pelas secretárias, pelos automóveis e pelas férias. Tudo, tudo é negócio.
Todavia, as campanhas de marketing caem deliberadamente sobre as crianças, e sua psicologia para influir sobre os adultos e ter, assim, um território assegurado no futuro. Sobram provas de essas tecnologias bastante abomináveis que, por vezes, conduzem a frustrações e mais.
O homenzinho médio de nossas grandes cidades perambula entre os bancos e o tédio rotineiro dos escritórios, às vezes temperados com ar condicionado. Sempre sonha com as férias e com a liberdade, sempre sonha com pagar as contas, até que, um dia, o coração para, e adeus. Haverá outro soldado abocanhado pelas presas do mercado, assegurando a acumulação. A crise é a impotência, a impotência da política, incapaz de entender que a humanidade não escapa nem escapará do sentimento de nação. Sentimento que está quase incrustado em nosso código genético.
Hoje é tempo de começar a talhar para preparar um mundo sem fronteiras. A economia globalizada não tem mais condução que o interesse privado, de muitos poucos, e cada Estado Nacional mira sua estabilidade continuísta, e hoje a grande tarefa para nossos povos, em minha humilde visão, é o todo.
Como se isto fosse pouco, o capitalismo produtivo, francamente produtivo, está meio prisioneiro na caixa dos grandes bancos. No fundo, são o vértice do poder mundial. Mais claro, cremos que o mundo requer a gritos regras globais que respeitem os avanços da ciência, que abunda. Mas não é a ciência que governa o mundo. Se precisa, por exemplo, uma larga agenda de definições, quantas horas de trabalho e toda a terra, como convergem as moedas, como se financia a luta global pela água e contra os desertos.
Como se recicla e se pressiona contra o aquecimento global. Quais são os limites de cada grande questão humana. Seria imperioso conseguir consenso planetário para desatar a solidariedade com os mais oprimidos, castigar impositivamente o esbanjamento e a especulação. Mobilizar as grandes economias não para criar descartáveis com obsolescência calculada, mas bens úteis, sem fidelidade, para ajudar a levantar os pobres do mundo. Bens úteis contra a pobreza mundial. Mil vezes mais rentável que fazer guerras. Virar um neo-keynesianismo útil, de escala planetária, para abolir as vergonhas mais flagrantes deste mundo.
Talvez nosso mundo necessite menos de organismos mundiais, desses que organizam fórums e conferências, que servem muito às cadeias hoteleiras e às companhias aéreas e, no melhor dos casos, não reúne ninguém e transforma em decisões...
Precisamos sim mascar muito o velho e o eterno da vida humana junto da ciência, essa ciência que se empenha pela humanidade não para enriquecer; com eles, com os homens de ciência da mão, primeiros conselheiros da humanidade, estabelecer acordos para o mundo inteiro. Nem os Estados nacionais grandes, nem as transnacionais e muito menos o sistema financeiro deveriam governar o mundo humano. Sim, a alta política entrelaçada com a sabedoria científica, ali está a fonte. Essa ciência que não apetece o lucro, mas que mira o por vir e nos diz coisas que não escutamos. Quantos anos faz que nos disseram coisas que não entendemos? Creio que se deve convocar a inteligência ao comando da nave acima da terra, coisas assim e coisas que não posso desenvolver nos parecem impossíveis, mas requeririam que o determinante fosse a vida, não a acumulação.
Obviamente, não somos tão iludidos, nada disso acontecerá, nem coisas parecidas. Nos restam muitos sacrifícios inúteis daqui para diante, muitos remendos de consciência sem enfrentar as causas. Hoje, o mundo é incapaz de criar regras planetárias para a globalização e isso é pela enfraquecimento da alta política, isso que se ocupa de todo. Por último, vamos assistir ao refúgio de acordos mais ou menos "reclamáveis", que vão plantear um comércio interno livre, mas que, no fundo, terminarão construindo parapeitos protecionistas, supranacionais em algumas regiões do planeta. A sua vez, crescerão ramos industriais importantes e serviços, todos dedicados a salvar e a melhorar o meio ambiente. Assim vamos nos consolar por um tempo, estaremos entretidos e, naturalmente, continuará a parecer que a acumulação é boa, para a alegria do sistema financeiro.
Continuarão as guerras e, portanto, os fanatismos, até que, talvez, a mesma natureza faça um chamado à ordem e torne inviáveis nossas civilizações. Talvez nossa visão seja demasiado crua, sem piedade, e vemos ao homem como uma criatura única, a única que há acima da terra capaz de ir contra sua própria espécie. Volto a repetir, porque alguns chamam a crise ecológica do planeta de consequência do triunfo avassalador da ambição humana. Esse é nosso triunfo e também nossa derrota, porque temos impotência política de nos enquadrarmos em uma nova época. E temos contribuído para sua construção sem nos dar conta.
Por que digo isto? São dados, nada mais. O certo é que a população quadruplicou e o PIB cresceu pelo menos vinte vezes no último século. Desde 1990, aproximadamente a cada seis anos o comércio mundial duplica. Poderíamos seguir anotando dados que estabelecem a marcha da globalização. O que está acontecendo conosco? Entramos em outra época aceleradamente, mas com políticos, enfeites culturais, partidos e jovens, todos velhos ante a pavorosa acumulação de mudanças que nem sequer podemos registrar. Não podemos manejar a globalização porque nosso pensamento não é global. Não sabemos se é uma limitação cultural ou se estamos chegano a nossos limites biológicos.
Nossa época é portentosamente revolucionária como não conheceu a história da humanidade. Mas não tem condução consciente, ou ao menos condução simplesmente instintiva. Muito menos, todavia, condução política organizada, porque nem se quer tivemos filosofia precursora ante a velocidade das mudanças que se acumularam.
A cobiça, tão negativa e tão motor da história, essa que impulsionou o progresso material técnico e científico, que fez o que é nossa época e nosso tempo e um fenomenal avanço em muitas frentes, paradoxalmente, essa mesma ferramenta, a cobiça que nos impulsionou a domesticar a ciência e transformá-la em tecnologia nos precipita a um abismo nebuloso. A uma história que não conhecemos, a uma época sem história, e estamos ficando sem olhos nem inteligência coletiva para seguir colonizando e para continuar nos transformando.
Porque se há uma característica deste bichinho humano é a de que é um conquistador antropológico.
Parece que as coisas tomam autonomia e essas coisas subjugam os homens. De um lado a outro, sobram ativos para vislumbrar tudo isso e para vislumbrar o rombo. Mas é impossível para nós coletivizar decisões globais por esse todo. A cobiça individual triunfou grandemente sobre a cobiça superior da espécie. Aclaremos: o que é "tudo", essa palavra simples, menos opinável e mais evidente? Em nosso Ocidente, particularmente, porque daqui viemos, embora tenhamos vindo do sul, as repúblicas que nasceram para afirmas que os homens são iguais, que ninguém é mais que ninguém, que os governos deveriam representar o bem comum, a justiça e a igualdade. Muitas vezes, as repúblicas se deformam e caem no esquecimento da gente que anda pelas ruas, do povo comum.
Não foram as repúblicas criadas para vegetar, mas ao contrário, para serem um grito na história, para fazer funcionais as vidas dos próprios povos e, por tanto, as repúblicas que devem às maiorias e devem lutar pela promoção das maiorias.
Seja o que for, por reminiscências feudais que estão em nossa cultura, por classismo dominador, talvez pela cultura consumista que rodeia a todos, as repúblicas frequentemente em suas direções adotam um viver diário que exclui, que se distância do homem da rua.
Esse homem da rua deveria ser a causa central da luta política na vida das repúblicas. Os gobernos republicanos deveriam se parecer cada vez mais com seus respectivos povos na forma de viver e na forma de se comprometer com a vida.
A verdade é que cultivamos arcaísmos feudais, cortesias consentidas, fazemos diferenciações hierárquicas que, no fundo, amassam o que têm de melhor as repúblicas: que ninguém é mais que ninguém. O jogo desse e de outros fatores nos retém na pré-história. E, hoje, é impossível renunciar à guerra cuando a política fracassa. Assim, se estrangula a economia, esbanjamos recursos.
Ouçam bem, queridos amigos: em cada minuto no mundo se gastam US$ 2 milhões em ações militares nesta terra. Dois milhões de dólares por minuto em inteligência militar!! Em investigação médica, de todas as enfermidades que avançaram enormemente, cuja cura dá às pessoas uns anos a mais de vida, a investigação cobre apenas a quinta parte da investigação militar.
Este processo, do qual não podemos sair, é cego. Assegura ódio e fanatismo, desconfiança, fonte de novas guerras e, isso também, esbanjamento de fortunas. Eu sei que é muito fácil, poeticamente, autocriticarmo-nos pessoalmente. E creio que seria uma inocência neste mundo plantear que há recursos para economizar e gastar em outras coisas úteis. Isso seria possível, novamente, se fôssemos capazes de exercitar acordos mundiais e prevenções mundiais de políticas planetárias que nos garantissem a paz e que a dessem para os mais fracos, garantia que não temos. Aí haveria enormes recursos para deslocar e solucionar as maiores vergonhas que pairam sobre a Terra. Mas basta uma pergunta: nesta humanidade, hoje, onde se iria sem a existência dessas garantias planetárias? Então cada qual esconde armas de acordo com sua magnitude, e aqui estamos, porque não podemos raciocinar como espécie, apenas como indivíduos.
As instituições mundiais, particularmente hoje, vegetam à sombra consentida das dissidências das grandes nações que, obviamente, querem reter sua cota de poder.
Bloqueiam esta ONU que foi criada com uma esperança e como um sonho de paz para a humanidade. Mas, pior ainda, desarraigam-na da democracia no sentido planetário porque não somos iguais. Não podemos ser iguais nesse mundo onde há mais fortes e mais fracos. Portanto, é uma democracia ferida e está cerceando a história de um possível acordo mundial de paz, militante, combativo e verdadeiramente existente. E, então, remendamos doenças ali onde há eclosão, tudo como agrada a algumas das grandes potências. Os demais olham de longe. Não existimos.
Amigos, creio que é muito difícil inventar uma força pior que nacionalismo chovinista das grandes potências. A força é que liberta os fracos. O nacionalismo, tão pai dos processos de descolonização, formidável para os fracos, se transforma em uma ferramenta opressora nas mãos dos fortes e, nos últimos 200 anos, tivemos exemplos disso por toda a parte.
A ONU, nossa ONU, enlanguece, se burocratiza por falta de poder e de autonomia, de reconhecimento e, sobretudo, de democracia para o mundo mais fraco que constitui a maioria esmagadora do planeta. Mostro um pequeno exemplo, pequenino. Nosso pequeno país tem, em termos absolutos, a maior quantidade de soldados em missões de paz em todos os países da América Latina. E ali estamos, onde nos pedem que estejamos. Mas somos pequenos, fracos. Onde se repartem os recursos e se tomam as decisões, não entramos nem para servir o café. No mais profundo de nosso coração, existe um enorme anseio de ajudar para que o homem saia da pré-história. Eu defino que o homem, enquanto viver em clima de guerra, está na pré-história, apesar dos muitos artefatos que possa construir.
Até que o homem não saia dessa pré-história e arquive a guerra como recurso quando a política fracassa, essa é a larga marcha e o desafio que temos daqui adiante. E o dizemos com conhecimento de causa. Conhecemos a solidão da guerra. No entanto, esses sonhos, esses desafios que estão no horizonte implicam lutar por uma agenda de acordos mundiais que comecem a governar nossa história e superar, passo a passo, as ameaças à vida. A espécie como tal deveria ter um governo para a humanidade que superasse o individualismo e primasse por recriar cabeças políticas que acudam ao caminho da ciência, e não apenas aos interesses imediatos que nos governam e nos afogam.
Paralelamente, devemos entender que os indigentes do mundo não são da África ou da América Latina, mas da humanidade toda, e esta deve, como tal, globalizada, empenhar-se em seu desenvolvimento, para que possam viver com decência de maneira autônoma. Os recursos necessários existem, estão neste depredador esbanjamento de nossa civilização.
Há poucos dias, fizeram na Califórnia, em um corpo de bombeiros, uma homenagem a uma lâmpada elétrica que está acesa há cem anos. Cem anos que está acesa, amigo! Quantos milhões de dólares nos tiraram dos bolsos fazendo deliberadamente porcarias para que as pessoas comprem, comprem, comprem e comprem.
Mas esta globalização de olhar para todo o planeta e para toda a vida significa uma mudança cultural brutal. É o que nos requer a história. Toda a base material mudou e cambaleou, e os homens, com nossa cultura, permanecem como se não houvesse acontecido nada e, em vez de governarem a civilização, deixam que ela nos governe. Há mais de 20 anos que discutimos a humilde taxa Tobin. Impossível aplicá-la no tocante ao planeta. Todos os bancos do poder financeiro se irrompem feridos em sua propriedade privada e sei lá quantas coisas mais. Mas isso é paradoxal. Mas, com talento, com trabalho coletivo, com ciência, o homem, passo a passo, é capaz de transformar o deserto em verde.
O homem pode levar a agricultura ao mar. O homem pode criar vegetais que vivam na água salgada. A força da humanidade se concentra no essencial. É incomensurável. Ali estão as mais portentosas fontes de energia. O que sabemos da fotossíntese? Quase nada. A energia no mundo sobra, se trabalharmos para usá-la bem. É possível arrancar tranquilamente toda a indigência do planeta. É possível criar estabilidade e será possível para as gerações vindouras, se conseguirem raciocinar como espécie e não só como indivíduos, levar a vida à galáxia e seguir com esse sonho conquistador que carregamos em nossa genética.
Mas, para que todos esses sonhos sejam possíveis, precisamos governar a nos mesmos, ou sucumbiremos porque não somos capazes de estar à altura da civilização em que fomos desenvolvendo.
Este é nosso dilema. Não nos entretenhamos apenas remendando consequências. Pensemos na causa profundas, na civilização do esbanjamento, na civilização do usa-tira que rouba tempo mal gasto de vida humana, esbanjando questões inúteis. Pensem que a vida humana é um milagre. Que estamos vivos por um milagre e nada vale mais que a vida. E que nosso dever biológico, acima de todas as coisas, é respeitar a vida e impulsioná-la, cuidá-la, procriá-la e entender que a espécie é nosso "nós".
Tradução: Fernanda Grabauska